LANÇAMENTO: OCUPAR: RESISTÊNCIAS KILOMBOLAS

Autora: Luiza Dias Flores 

Disponível: Editora 7 Letras

E este livro narra, através de uma descrição etnográfica, a experiência da autora com a Morada da Paz sobre fazer corajosa e criativamente a vida, sem se deixar paralisar pelas forças destrutivas do mundo. Exatamente por isso, seus ensinamentos são fundamentais para esses tempos de descaso explícito com os seres (humanos, mas não apenas) e com as memórias. Mas é preciso atentar. Narrar a coragem da Morada não significa corroborar e atribuir a ela um heroísmo que marca continuamente o modo de contar histórias tal como o Ocidente, na sua manifestação branca, colonial e masculinista, parece operar –a maneira de Júlio César e a clássica narrativa “vim, vi e venci!”. A coragem da Morada não é descrita com base no conflito e na arma utilizada para aniquilar, ou conquistar, o inimigo. A coragem provém de algo sutil, e ainda assim intenso e poderoso: a manutenção da vida coletiva e de um “jeito de ser e de viver” singular. Em vez do conflito visando um determinado fim, surge o processo contínuo do fazer-se vivo e no fazer a vida junto com outros.